sábado, 31 de outubro de 2009

Partilha

Partilhar não é abstrato
É a materialidade da vivência
Conjunta do dia a dia.

Nas pequenas coisas
Há partilha.

Como estava lindo o dia hoje!
Como foi seu dia?
Está precisando de afeto!

Partilhar é por vezes,
Abandonar o EU
Para garantir o nós.

Partilhar é ser estrela na noite escura
Iluminada pela lua.

Partilhar é acreditar no inacreditável
Para garantir a partilha de amanhã.

Partilhar é querer,
Sofrer,
Aprender,
Ajudar a crescer.

Partilhar é apostar no incerto,
Renegar o destino,
criar
E ter fé no divino.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Detalhes II

O mundo gira da volta
entorno de um único sentimento,
aprisionado no peito
gerando revoltas.
Tudo é eterno até o dia que acaba
chegando ao seu fim, infeliz ou feliz.

Veja a estrala sozinha no céu
não esta só, a noite é seu véu
e a faz companhia
levando à ela alegria

Detalhes

Olhar o horizonte
distante da imaginação,
perdida na fonte
de pensamentos e concepções
de que todo amor é eterno,
seja ele de verão ou inverno.

A paixão é passageira
de um trem desgovernado,
que uma hora é parado
passando uma rasteira
em que a viveu.

Olha como sofreu
o amigo namorado
ou namorado amigo
que diferença faz
é impossível voltar a traz.

Deixar para traz o passado
e viver o presente acordado
é o certo a fazer
a mim ponho a dizer.

Detalhadamente só os seus olhos
respondem para os meus olhos
a indagação
do meu coração.

Apalpadelas

Que valores são esses,
Que me reprime
Que me castra
Que tira de mim
O contato com o outro,
Que cria barreiras,
Elas parecem instransponíveis.

Entre nádegas e mãos,
Valores,
Que me distanciam do outro
Tocá-lo?
Não posso!
É proibido;
É pecado!
Não!
É apenas massagem.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

A culpa

Eu sou um nada,
cometi um erro.
Canalha!!!
Aponta-me o superego.
Isto não se faz!
Acusa-me minha alma,
perturbada e quase confusa.
Sou o mais vil dos cafagestes,
Me resta apenas a dor
Quebrei valores...(e como dói)
Aparentemente entregue ao pranto
Emerge a contradição;
Como assim não posso errar?
Quem és tu para com seus valores me julgar?
Cafageste, canalha, pilantra...
Adjetivos,
Pequeno burguês,
Que velam as fraquezas do ser
E fazem a morte mirar.
O que farei com ela?
Sei de onde vem,
Conheço pai e mãe
E isto não à ameniza
Tão profunda dor.
Não por isso é menos burguesa
Minha culpa,
Sua culpa,
Enfim nossa culpa!

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Fatos inglórios

Procura incansavelmente

respostas, nem sabe ao que,

mas não desiste

ao contrário,

sempre persistente,

na luta diária,

que a vida

impõe.

Não nasceste

coroad@ com talco e brilhantes,

que pena,

perdeu

não há mais chances,

poucas oportunidades,

lhe será oferecida,

muito provavelmente,

terás um teto salarial,

que alcançaras,

sem precisar pular.

E pode ser,

que lhe garanta,

o “equivalente geral”,

tão sonhado

que talvez lhe permita,

ter acesso a “ração básica”,

necessária,

para se manter em pé

e feliz pela vida

que tem.

Por isso vivi sorrindo,

mesmo sem saber,

mas sentindo

que a felicidade

é um momento de espasmo

fortuito e breve.

Sinal vermelho,

fim da linha

patife, acomodad@

quiçá

numa mão a foice

noutra o martelo

mas amanhã, pois

hoje tem o fim da novela,

depois é preciso pagar a fatura

em seguida

levar o filho ao pet shop

não esquecer do analista

pode ser então

depois da leitura da revista?

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Eu

EU não gosto!
EU não quero!
O EU está voltado para o EU.
EU estou frustrado!
EU vou pensar!
O EU não tem limites.
EU quero ir!
EU estou chateado!
O EU é autoritário.
EU gosto assim!
Em meios a tantos EUs,
Onde está o
NÓS?

Curtas

"O silêncio é o melhor amigo da indiferença e os dois são as maiores fontes de inspiração poética..."

Amar... Vamos?

Vamos amar sem compromisso!

Vamos amar só por amar.

Fazer amor sem ter amor;

Amar sem ser amado.

Roubar um beijo apaixonado;

Escrever um livro de amor.

Fazer amor a luz da lua!

Vamos amar a vida,

Pois ela é curta!

Vamos lutar pelo amor!

Vamos buscar o grande amor da nossa vida!

Vamos ter paciência quando somos amados;

Vamos fazer loucuras de amor;

Vamos ser amantes;

Vamos ser amados;

Para não nos tornar-mos

Seres humanos frustrados!

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Encontro fortuito

Rasgo o tempo

sobre trilhos

encurtando passos,

na confusa metrópole.


É verdade que


estudar me propus,

nos rangidos do trem,

mesmo sabendo

já não ser possível,


no primeiro olhar.


Um metrô,

no segundo,

perturbação completa,

no terceiro, entramos.


Fecha-se a porta, agora


Lado a lado

destino?

Não.

Probabilidade inglória...



Pois neste momento,


agitado meu espírito,

do objetivo distancia-se

(estudar)

Química presença

intranqüiliza o ser.


...tu Sheylla!


De neve corada

e olhar penetrante

é simplesmente,

marcante.