quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Sua ausência

Ao não ver seu olhar
Vejo sua falta
Ao não escutar sua voz
Recordo da melodia da sua presença
Ao não sentir seu abraço
Me faz falta a sensação de ter a alma beijada

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

O tempo

O tempo só é problema
Pois somos finitos
A finitude é como maldição
Não há nada o que fazer
O tempo passa
Alias já passou
O próximo segundo
Já foi...
Não volta
Voltar atrás
Não é possível
Recomeçar talvez...

Impotência

Não sei ao certo
Se acertei a escolha
Estou no caminho
Porém perdido,
Feito cachorro
Dando voltas
Perseguindo o rabo.
Busquei a virtude
E distanciei de mim
Olho no espelho
Sem o pesar da culpa
Mas, leve?
A vida?
Não...

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

A fala, feri ou Cantiga do abutre

Palavras? Não, pedradas.
De certo, mal intencionadas
Feri, geram hematomas
sintomas
Profundos na eloquência

Simples ou um corte profundo
A esmo machucam
Torturam,  magoam
Da face o sangue escorre
Com o movimento dos lábios

Instantaneamente.

Laço

Mais difícil do que fazer um laço
É desfazê-lo,
Olhar ele pronto e acabado
Com suas curvas e voltas perfeitas
Não queremos imagina-las desfeitas
Mas nem sempre o laço
Nos, é apropriado ao momento.

Sorriso

Ao despertar me deparei
Com seu sorriso e me encantei
De mim, me perdi
Em você, me encontrei.

Controvérsia

Sua boca diz sim
Seus olhos não.
Sonhos são sonhos
Pesadelos não.
Minha vaidade guia
Egoísmo e controle
De algo que pertença
Talvez a subjetividade.
Desnorteado e sem rumo
A deriva em dor
Busco força e acalanto
No germe do amor
Superar e seguir em frente
Sem perder a ternura
O concreto, o fato ameaça
Mas o que machuca mesmo
São as proteções e omissões.
Por amor protegemos
Por amor omitimos
Por amor negamos
A nós e ou outro
Com ciúmes
Nos perdemos
Degeneramos
Em alucinações
E fantasias.
Ou não...

domingo, 24 de julho de 2016

Gaiolas não libertam

Espinhos são sempre espinhos
Não vai querer tê-los pelo caminho
Ao cair de uma arvore.

Sentimentos são complexos
Não, não tem nexo
Mentir para preservar.

Não somos perfeitos
O medo é um de nossos defeitos
E nem sempre nos torna melhores.

Ciúmes é vaidade
Amar é ambiguidade
Pois engaiolamos para não perder.

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Desejo-te


Desejo-te, pois sou imperfeito,
Minha alma busca repouso
Conforto no desejo.
Desejo-te na humanidade a mim atribuída,
Na Finitude dos meus dias
O desejo cunha inspiração.
Desejo te, afinal não sou divino
Para contrariar a tentação
Que é lhe desejar.

Ah! Não será isso poesia?

Adaptação do poema de J. G. de Araujo


AH! Não será isso poesia!
Alegria provocante do teu sorriso
A fresca alegria
Da tua boca molhada como os caminhos
Ao nascer do dia,
-       Ah! Não será isso poesia?

O vento a acariciar os teus cabelos soltos
Teus cabelos revoltos
Mascios e leves
Como painas, como nuvens
Como tecidos de seda e luz numa estranha magia,
-       Ah! Não será isso poesia?

E o mistério de teus olhos profundos,
Que atraem como horizantes
Para mundos estranhos,
onde ha noites de amor, e nunca chega o dia...
-       Ah! Não será isso poesia?

A visão do teu pescoço branco, velado como um templo,
pelo véu dos teus castanhos cabelos, que eu descubro
nos delirios de minha fantasia,
-       Ah! Não será isso poesia?

E a tua voz
-        A noite que fêz som numa flauta macia –
E teu corpo, uma bandeira inquieta desfraldada,
teu amor, prece sensual para minha heresia...
-       Ah! Não será isso poesia?

-Sim! Isto tudo é poesia,

porque tu és Poesia!

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Saudosismo

Contemplo nos novos passos
Velhos passos esquecidos no passado
Com um saudosismo nostálgico, que me faz projetar ao passado
Recordar de uma época longínqua
Em que a vida era menos elaborada, mais vivida
Brincar era apenas brincar
O mundo a minha volta era um universo de descobertas
Sabores
Texturas
Papai
Mamãe

Infância. 

domingo, 1 de março de 2015

Falo não Falas[1]

Preto só carne e falo
Falo agora apenas como falo
Um superpreto,
Um supermásculo,
Falo bem dotado
De invisibilidade                                                                                                                  
Um punhado de carne
De inferioridade intelectual
Puro animal
Castrado em gostos e gozos
Com a espada em riste
Nunca podendo falhar
Pode-se tudo no ato, menos parar
Os músculos pujantes
Saltam a pele negra
A massa corpórea
Alimenta a fantasia e o mito
Preto robusto, forte e viril
Criado Supermasculino 
O lugar comum, dos corpos pretos
Na firma, no drible, na rima
Falo com ginga,
No samba, no reggae, no funk ou no rap
Pense preto do falo
Ou melhor, não pense, faça
Desfrute de sua gaiola dourada
“Admiramos” seu falo
Não o que falas.



                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                 






[1] A masculinidade negra representa uma ameaça ao homem branco, ela é o profundo medo cultural do negro figurado no temor psíquico da sexualidade ocidental (Bhabha, 2003:71). Além de ter seu pênis racializado, a inteligência dos homens negros foi avaliada pelos europeus na proporção inversa do tamanho de seu pênis. AS REPRESENTAÇÕES DO HOMEM NEGRO E SUAS CONSEQUÊNCIAS - Rolf Ribeiro de Souza

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Manifesto ao Rolezinho

Minha presença te incomoda
Mas minha ausência não
Se me encontro vivo ou morto
Pouco importa
Desde que permaneça oculto
Se me alimento ou não
Pouco importa
Desde que permaneça oculto
Provocam-me a sede por consumir
Roupas de grife
Carros importados
Bebidas caras
Busco ostentação
Também quero fazer parte
Do banquete do consumo
Minhas marcas de pobreza
Causam-lhe repulsa e medo?
Porque tanta truculência,
Seu policial?
Seu patrão não deve gostar
Da cor da minha pele
Do CEP de onde moro
Do som que escuto
Deixe-nos entrar nos seus shoppings
Entoaremos nossos “hinos”
Conclamando a ostentação
Só iremos roubar a exclusividade
De contemplar as mercadorias
Uma vez ou outra até consumir
Não somos vândalos e nem marginais
Minha presença te incomoda
Mas minha ausência não.

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

A vida não é quântica

Queridos amig@s que em 2014 possamos continuar firme na luta, pois

A vida não é quântica
A mudança é inerente ao movimento;
Evoluir ou involuir, não é uma questão de vontade.
O ponto de chegada depende das direções que tomamos;
O chamado traidor, pensa muitas vezes que sua verdade é a verdade
E os que o acusam, afirmam perante a própria verdade.
Um governo de esquerda vira a direita baseado em suas supostas verdades de esquerda.
Afirmam os letrados, nem de direita ou esquerda, apenas cidadãos imparciais, assim acreditam.
Mas será a verdade apenas um problema logico?
Seria a verdade uma questão de discurso?
Ao transformar a verdade em uma questão meramente discursiva, as contradições da vida real tornam-se meras interpretações sujeitas a variações interpretativas, logo subjetivas.
Entretanto existem verdades irrefutáveis, assim afirmam os esclarecidos.
A democracia é o único caminho viável para a humanidade não se perder no caminho dos horrores do totalitarismo!
A via democrática é a única que permite aperfeiçoamento!
Vivemos em um país jovem, temos muito que amadurecer democraticamente!
Mas cuidado, socialismo ou barbárie! Não passa de um ponto de vista das inúmeras verdades.
Independentemente da relativização da desgraça alheia, alguns fatos parecem definir verdades.
Os países mais pobres estão no continente africano.
A população negra em nosso país em sua maioria é pobre.
Os governos gastam mais de US$ 400 bilhões para salvar bancos e montadoras, mas não tem dinheiro para mudar certas estatísticas:
• 24.000 pessoas morrem de fome por dia
• Mais de 1.000.000 de Seres humanos vivem na pobreza extrema atualmente
• Mais de 1.800.000 de Seres humanos não tem acesso à agua potável
• 840 milhões de seres humanos mal nutridos pelo mundo, destes 200 milhões  são menores de cinco anos
Enfim a discrepância da vida entre ricos e pobres, ainda é muito grande e isso não é relativo, a qualidade de vida do seu patrão depende do seu trabalho, independentemente do que dizem os livros e acadêmicos.
Os seres humanos não se comportam como partículas quânticas.

sábado, 27 de julho de 2013

E ai? Cadê o Amarildo?



Ei coxinha, bundinha que acabou de acordar;.
Que tirava um pesado cochilo, igual urso a hibernar;
Entendemos os seus motivos, para estar bravo e feroz;
Enquanto sonhava muitas coisas ocorreram, mas sua compreensão não é veloz;
No seu país imaginário sua condição mudou;
Lembra? Começou a comer frango quando o preço despencou;
Elegeu um sindicalista e a esperança venceu o medo;
Numa tal carta ao povo brasileiro, ele entregou o seu segredo;.
Foram tantas as alianças que ate o demônio, ficou com receio;
Façamos justiça e paremos de devaneio;
Você foi para universidade e agora é cidadão letrado;
Lê veja, folha, estadão e assiste o jornal nacional, eita cidadão bem informado!?
Tirou carta, comprou dívida e no trânsito também esta parado;
Você ta sonolento cuidado, tu é meio desajeitado;
Não hostilize quem lutava enquanto tu dormia;
Escuta! Os jovens negros não deixaram de morrer na periferia;
Ei classe media! Coxinha! Você mesmo, que acabou de acordar;
Sumiram com o AMARILDO! E você não vai vir para rua, protestar?